Tempo, tempo, tempo...

Tempo, tempo, tempo…

Frase de uma música de Caetano Veloso – “Oração ao Tempo”. O compositor conversa com o tempo, o eleva a condição de um ser divino. Tempo que não conta nossas histórias e faz delas uma surpresa diária. Tempo que precisamos entender e viver de forma precisa, para que cada momento seja inteiro e se transforme em experiência para outros momentos. E, assim, ter no tempo um conselheiro, um amigo.

Saber que ele não volta é viver sua precisão.

É o tempo nos lembrando que não somos os senhores do tempo. Mas, é justo aí que essa divindade, na minha opinião, se torna é um deus perverso. Diz que não podemos voltar, só seguir.  No entanto, lá estamos tendo saudades de todos aqueles momentos em que fomos felizes, das pessoas que amamos. E não estou falando das lembranças que a gente tem de vez em quando, e passam, (relembrar, o tempo permite). Falo da vontade de voltar no tempo e de ficar ali. De ter mais um tempo…

Melhor seria se respeitássemos o tempo e seguíssemos em frente.

E entendêssemos, como diz a letra de Caetano, que o tempo tem princípio, meio e fim. Ter essa compreensão, talvez, nos trouxesse paz, e nos ajudasse a viver cada momento como especial, como único.

A vida, ainda seguindo os versos da canção, seria uma sequência de ciclos e estes parte de nós. O tempo um aliado e não um carrasco. Encerrado o tempo, partir não se transformaria em dor, em pesar.

Mas, somos seres humanos. Por mais que queiramos entender o tempo, vivê-lo da melhor maneira possível, estamos sempre brigando com ele. Partir, por quê?  Queremos, sim, mais um pouquinho de tempo… É aí, Caetano, que não me encontro nos seus versos e destoo de seu canto. Ainda não consegui um acordo com o tempo. Nem entendo um encontro com o tempo “num outro nível de vínculo”, quando o meu tempo aqui acabar.

Se você fez um acordo, meu caro leitor, com o tempo e é feliz…


Sugestões para complementar o texto e permitir uma conversa sobre o que ele aborda:

1 – Letra e música de Oração ao Tempo de Caetano Veloso

2- Blog “Palavra Singular”, no qual me inspirei para interpretar a música e escrever o texto


Foto: Designed by Freepik

7 comentários

  1. Adorei Regina como voce elucida o significado da letra da canção ‘Oração do Tempo’Apesar da letra dizer muitas verdades, esta divindade o tempo é perversa conosco. Concordo com você : como não podemos vencer o tempo, tentamos fazer um acordo, mas na realidade,quando nosso tempo está perto do fim é muito difícil aceitar sem brigar ou se perguntar porque?

    1. Apesar do que eu disse, de querer ficar um pouco mais, o que a canção nos ensina sobre o tempo é muito revelador. Imaginou se logo, nos primeiros anos, aprendêssemos a dialogar com o ele? Imagina se, na escola, ele fosse um conteúdo curricular? A gente entendendo sua precisão. Que tudo tem começo, meio e fim. Que não adianta correr, pois as coisas têm seu tempo. Poderíamos, juntos com ele, ir construindo nossa história, sem tanta apreensão, culpa. Se a decisão não é a melhor, corrige-se logo ali na frente. Se o momento é de felicidade, por que não vivê-lo plenamente?
      Assim entre as surpresas, regras, contradições próprias desse senhor das horas, seguiríamos dando significado a nossa vida; transformando as experiências em conhecimento, em benefícios, para nós e para os que nos rodeiam.
      E quando tivéssemos que partir, não sofreríamos tanto, pois sobraria a sensação de que vivemos da melhor maneira possível e aprendemos o que tínhamos para aprender.
      Mas, mesmo assim, eu ainda sussurraria bem baixinho no ouvido do tempo… “Será que não dá para ficar só mais um tempinho?”

      1. Muito boas interessante sobre o tempo estar na grade curricular, seria muito útil, pois teríamos a sabedoria ( aquela que só com a maturidade adquirimos) para vivenciar cada hora com mais qualidade! Como diz Dalai Lama: o homem moderno vive como se não fosse morrer….e perde sua saúde trabalhando demais para
        ter mais dinheiro, e gastar este dinheiro para cuidar da saúde que perdeu.

  2. Gosto do enfoque que você dá às suas reflexões, Regina. Seu blog tem uma busca sincera sobre entender o processo de envelhecimento, sem clichês ou fórmulas como se vê em outros que parecem mais preocupados em apresentar receitas de bem viver. Gosto também da maneira como está escrito, a linguagem é direta sem ser dura. Apesar do tema e da abordagem aprofundada, dos sentimentos serem intensos é gostoso de ler. O layout é leve, simples, é fácil de visualizar. Gostei bastante e me identifiquei muito com suas considerações, acho que elas refletem bem o que todos nós que estamos nessa fase sentimos.

    1. Que bom, Inês. Concordo com você, o resultado ficou muito bom. Mas, a construção deste blog foi um caminho que percorri com a Cida e o Toninho, da Dinamika Comunicação.
      No começo, tinha algumas ideias e muitas incertezas. Afinal, muita gente boa vem falando sobre o assunto. Eu seria, apenas, mais uma. E nem sou especialista no assunto. E, por cima, me deu um frio na barriga, só de pensar, que estaria me expondo.
      Mas, os dois foram construindo comigo a concepção de espaço, me dando segurança, me convencendo de que valia a pena tentar. É algo que estou fazendo, mas sem grandes pretensões. Se existirem pessoas que queiram dialogar comigo, já atingi meu objetivo. Afinal a minha intenção, como você bem ressalta, é procurar entender o processo de envelhecimento e encontrar respostas para viver este momento de uma forma mais positiva e feliz. Nada de especial. Na verdade, não é o que todos buscam em todas as fases da vida?

  3. Muito boas interessante sobre o tempo estar na grade curricular, seria muito útil, pois teríamos a sabedoria ( aquela que só com a maturidade adquirimos) para vivenciar cada hora com mais qualidade! Como diz Dalai Lama: o homem moderno vive como se não fosse morrer….e perde sua saúde trabalhando demais para
    ter mais dinheiro, e gastar este dinheiro para cuidar da saúde que perdeu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *